Ir para conteúdo

PILLAH

Política

210.004 posts neste tópico

Posts Recomendados

só tenho uma coisa a falar

paulistas merecem tudo de ruim por não terem eleito Suplicy

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
10 minutos atrás, Predo disse:

 

Na verdade o número de votos dela parece ter estabilizado (68k em 2014 e 71k ano passado). Não chega perto do auge dela no estado nos anos 2000, quando quase conseguiu o Senado em 2006 e liderava a pesquisa pra prefeitura da capital em 2008, mas essa queda foi inerente às forças políticas de (centro-)esquerda do RJ que se aliaram ao Cabral (PCdoB, PT e PDT), sobrou só o PSOL com espaço de crescimento. 

Sim, o pcdob demorou a fazer essa leitura nego. 

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
4 minutos atrás, Lovely H2BH disse:

Sim, o pcdob demorou a fazer essa leitura nego. 

 

Sim, e pior que depois da Jandira não vejo o partido com nenhuma outra liderança no estado. Digo o mesmo pra PT e PDT se não se mexerem. 

 

Aliás, nenhuma queda se compara a do PT no RJ... Lula e Dilma ganhando eleição desde 1998 no estado, elegeram 5 deputados em 2014 + tinham senador, agora só elegeram 1 deputada e o Haddad ficou em #3 no primeiro turno. É uma diferença abissal. 

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
42 minutos atrás, PILLAH disse:

9SAt32w.jpg

(feat. @Loggie)

 

SENADORES

 

Major Olímpio (PSL-SP), o defensor da polícia

 

Major Olímpio foi presidente da Associação Paulista dos oficiais da Polícia Militar do Estado de São Paulo. Como oficial, exerceu suas funções por 29 anos. É bacharel em Direito, professor de educação física e técnica em defesa pessoal. Em 2006 se filiou ao PV e se candidatou a deputado estadual, sendo eleito. Em 2010, no entanto, mudou-se para o PDT, sendo cogitado, inclusive a assumir o posto de vice na chapa encabeçada pelo então candidato ao governo de São Paulo, Aloízo Mercadante, do PT. Em novembro de 2015, anunciou sua saída do PDT (de CIRO GOMES) e o ingresso ao recém-criado Partido da Mulher Brasileira (PMB). Em março filiou-se ao Solidariedade.

 

De maneira surpreendente para quem hoje ocupa uma posição de destaque no governo de direita de Bozonaro, Olímpio votou CONTRA a PEC do Teto dos Gastos Públicos e, em abril de 2017, votou CONTRA a Reforma Trabalhista. Por fim, em março de 2018, Olímpio filiou-se ao PSL. Após ser eleito com a maior votação para senador no mesmo ano, tentou articular sua candidatura à Presidência do Senado, porém no dia da votação, abriu mão para apoiar Davi Alcolumbre (DEM-AP). No final do mês passado, Olímpio renunciou ao comando do diretório do PSL em São Paulo.

 

 

 

 

Mara Gabrilli (PSDB-SP), exemplo de superação

 

Mara Cristina Gabrilli é graduada em Psicologia pela UNIP e em Publicidade e Propaganda pela ESPM. É filiada ao PSDB e exerce carreira política desde 2005, tendo sido eleita vereadora e deputada federal. Empreendedora social, fundou em 1997 o Instituto Mara Gabrilli, ONG que fomenta pesquisas científicas para a cura de paralisias, no apoio a atletas do esporte paraolímpico e na orientação para o desenvolvimento social de pessoas com deficiência em situação de vulnerabilidade social. Essa luta faz parte da própria vida de Mara, que sofrera um sério acidente de carro no ano de 1994, ficando tetraplégica. O fato de não poder se mover também logo fez surgir percepções que Mara jamais imaginou existir. Praticante de esportes, amante da natureza, ela de repente descobriu que, para o bem de sua própria sanidade, precisaria aprender a lidar com as 24 horas do dia em que passaria completamente imóvel. “Quando você não se mexe, o tempo é completamente outro", afirma.

 

De 2005 a 2007, dirigiu a Secretaria Municipal da Pessoa com Deficiência e Mobilidade Reduzida, sendo a primeira portadora do título. Na Câmara, votou A FAVOR da PEC do Teto dos Gastos Públicos e votou A FAVOR da reforma trabalhista. Em 2018, foi eleita senadora na coligação AceleraSP, ficando atrás do deputado Major Olímpio (PSL-SP) e à frente do vereador e ex-senador Eduardo Suplicy (PT-SP). No primeiro turno, Mara apoiou João Doria (PSDB-SP) ao governo do estado e Geraldo Alckmin (PSDB-SP) à Presidência. No segundo, continuou apoiando Doria e disse que Bozonaro deveria rever posições para ter seu apoio.

 

img20150716144605316042.jpg

Exemplo de superação, Mara Gabrilli assina em plenário ofício ao receber texto da Lei Brasileira de Inclusão (2015)

 

DEPUTADOS FEDERAIS

 

Eduardo Bozonaro (PSL-SP), o mais votado da história do Brasil

 

Eduardo Bozonaro formou-se em Direito pela UFRJ em 2008 e passou no concurso da Polícia Federal para escrivão no ano de 2010. Seu primeiro cargo político foi exercido em 2014 quando eleito pelo PSC para deputado federal. Em 2018, foi reeleito com 1.843.735 votos, sendo o mais votado da história do Brasil. Alinhado à direita ideológica seguidora de Olavo de Carvalho, Eduardo apresentou projetos e posicionamentos alinhados com a sua luta contra o “comunismo”: redução da maioridade penal, planejamento familiar, armamento da população e família tradicional. Em abril de 2018, a PGR apresentou denúncia ao STF contra Eduardo por ameaças que o parlamentar teria proferido contra a jornalista Patrícia Lélis.

 

Em fala gravada no início do ano passado, Eduardo respondeu que seria fácil fechar o STF caso o tribunal impedisse a vitória eleitoral de seu pai, o que causou forte reação dos Ministros. Celso de Mello, o mais antigo do STF, classificou a declaração como “inconsequente e golpista”. No governo de Bozonaro, Eduardo tem buscado liderar o posicionamento internacional do Brasil em favor dos EUA, chegando a usar um boné apoiando a reeleição de Donald Trump. Na ocasião, chamou os imigrantes brasileiros de “vergonha” para defender que só o Brasil abrisse mão da exigência de visto para estadunidenses.

 

 

 

 

Joice Hasselmann (PSL-SP), a defensora de Bozonaro

 

Joice Cristina Hasselmann é uma jornalista, escritora, ativista política e a mulher mais votada para a Câmara dos Deputados da história do Brasil. Trabalhou na rádio CBN, na BandNews FM, na revista VEJA, na Record, teve uma breve passagem no SBT pela afiliada Rede Massa. Também teve uma breve atuação na rádio Jovem Pan de São Paulo. É uma crítica da ex-presidente Dilma Rousseff, do ex-presidente Lula e do PT. Nos anos de 2015 e 2016, participou ativamente nas manifestações contrárias ao governo Dilma e como convidada de acusação no processo de impeachment de Dilma, bem como nas manifestações favoráveis à Operação Lava Jato, e de apoio à Polícia Federal. Em 2016, escreveu uma biografia do juiz federal Sérgio Moro. A jornalista e atual deputada federal eleita assume posicionamento político de direita e se declara como uma conservadora.

 

Como líder do governo no Congresso Nacional, Joice tem sido uma ferrenha passadora de pano para as trapalhadas de Bozonaro, atuando para facilitar a tramitação das pautas de interesse na Câmara, em especial a Reforma da Previdência na CCJ. Quando apoiou Rodrigo Maia para a Presidência da Câmara, foram expostos vídeos antigos em que ela o criticava por ser “esquerdinha” e que devia ser retirado do cargo, por ser “pior do que o PT”. O mesmo aconteceu quando em 2014 ela afirmava que a candidatura de Bozonaro era “uma piada”. Em março, a deputada se irritou com um comentário do colega de Câmara Kim Kataguiri (DEM-SP) no Twitter. A líder do governo chamou o deputado do DEM de “moleque” e disse para ele “deixar os adultos trabalharem”. Em abril, a Revista Época divulgou que a deputada usou verba pública para voltar do Carnaval.

 

Em momento de leveza e descontração, Joice conversa com uma amiga

 

Tabata Amaral (PDT-SP), nem de esquerda nem de direita

 

Tabata Amaral é formada em ciências políticas e astrofísica pela Universidade de Harvard e ativista pela educação brasileira. Foi criada na Vila Missionária, bairro pobre localizado na Zona Sul de São Paulo. Devido ao seu destaque nos estudos, Tabata foi aprovada em renomadas universidades dos EUA com bolsa integral. É co-fundadora do Movimento Mapa Educação e do Acredito, movimento político nacional e suprapartidário que busca a renovação do congresso. Seu foco é, em especial, a educação. Defende um Fundeb mais distributivo e que dê metas para municípios e estados, com cobrança de resultados e melhores salários para professores.

 

Durante o tempo que ficou nos EUA, Tabata conheceu o então presidenciável CIRO GOMES, com quem manteve contato desde então, o que resultou na sua filiação PDT. Nas eleições de 2018, Tabata foi eleita deputada federal por São Paulo como a sexta mais votada (a única do PDT). Atualmente, ela é vice-líder da bancada que reúne os partidos PDT, PROS, AVANTE e PV. Idealizou o primeiro “gabinete itinerante” do Congresso, projeto dividido com outros dois parlamentares do movimento Acredito: um trailer visita semanalmente uma cidade diferente levando formação política para a população.

 

Após sofrer críticas de militantes de esquerda, Amaral afirmou que é progressista e que está na política para “renovar as práticas, e que o mais importante é dar menos atenção para essa guerra entre esquerda e direita, os dois extremos, e falar que está ali pelos princípios, pelos valores”. Seu nome ganhou especial destaque após uma fala certeira contra o então ministro da Educação Ricardo Vélez, que acabou saindo do cargo poucas semanas depois.

 

 

 

Sâmia Bomfim (PSOL-SP), a renovação psolista

 

Sâmia Bomfim é uma servidora pública, feminista e política brasileira. É formada em Letras pela USP onde também atuou como servidora. Em 2016, destacou-se por estar à frente dos protestos contra a chamada cultura do estupro, além de ter participado efetivamente da organização de manifestações contra o ex-deputado Eduardo Cunha (MDB-RJ). Em sua primeira disputa eleitoral, foi candidata a vereadora na cidade de São Paulo e com isso tornou-se a mulher mais jovem a exercer o mandato de vereadora na capital do estado, aos 27 anos. É coautora da ação que pede a suspensão do aumento dos salários dos vereadores de SP aprovada no final do ano de 2016. Além de ter convocado manifestantes para protestarem contra o aumento das passagens e tarifas dos transportes na capital. Ficou conhecida com o episódio da farinata ao criticar e pedir uma CPI contra o então prefeito João Doria.

 

Em março de 2018 anunciou sua pré-candidatura pelo PSOL à Câmara dos Deputados. Defendeu que suas bandeiras políticas têm mais a ver com um projeto de país do que de cidade, quando questionada sobre por que trocar o Legislativo municipal pelo parlamento nacional. Em outubro, foi eleita como a oitava deputada federal mais votada do estado. Além dela, também se elegeram pelo PSOL Luiza Erundina e Ivan Valente. Na Câmara, ao lado de suas colegas de partido Fernanda Melchionna (PSOL-RS) e Áurea Carolina (PSOL-MG), Sâmia tem sido uma voz ativa contra os projetos de Bozonaro e do PSL, em especial a Reforma da Previdência e o corte de recursos para a educação. Em abril, defendeu por meio de suas redes sociais a liberdade de Lula como uma reivindicação democrática.

 

taliria-perone.jpg

“Viva o corredor Marielle Franco!”, tuitou Talíria Petrone (PSOL-RJ), referindo-se aos gabinetes das colegas Áurea Carolina (PSOL-MG), Sâmia Bomfim (PSOL-SP), Fernanda Melchionna (PSOL-RS), além da veterana Luiza Erundina (PSOL-SP)

 

 

Vinicius Poit (NOVO-SP), o empreendedor

 

Vinicius Poit foi um dos três deputados federais eleitos pelo Partido Novo (os outros dois foram Adriana Ventura e Alexis). Com apenas 32 anos de idade, Poit é formado em Administração de Empresas pela FVG e foi eleito com discurso de liberalismo econômico e corte de privilégios de políticos. Admite que a participação em cursos do movimento RenovaBR foi essencial para sua preparação política. Conforme documentação entregue à Justiça Eleitoral, Poit declarou ter R$ 2,89 milhões em bens, entre eles um apartamento de R$ 2,25 milhões e R$ 276 mil em aplicações de renda fixa.

 

Em abril, Poit protocolou um projeto que prevê extinguir sanções penais, como prisão, de crimes como difamação ou injúria. A medida veio dias após o humorista Danilo Gentili ser condenado à prisão por ter ofendido a deputada Maria do Rosário (PT-RS). Comenta, @Regina Duarte BC.

 

 

 

 

Rui Falcão (PT-SP), o petista histórico

 

Rui Falcão formou-se em Direito na USP, mas teve destaque como jornalista de periódicos de São Paulo. Participou ativamente dos movimentos de oposição ao regime militar e integra o PT desde os anos de 1980. Foi eleito diversas vezes para cargos no Legislativo estadual de São Paulo. Em 2010, coordenou a campanha de Dilma Rousseff à Presidência, tornando-se em seguida presidente do seu partido até junho de 2017 quando passou o cargo para a então senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR). Rui Falcão tem testemunhado em favor de Lula no processo envolvendo o sítio de Atibaia.

 

Em 2018, dos 8 deputados federais do PT eleitos no estado, Rui Falcão foi o mais votado (os demais foram Carlos Zarattini, Nilto Tattoo, Alexandre Padilha, Arlindo Chinaglia, Paulo Teixeira, Vincentinho e Alencar Santana). Em março, Rui Falcão declarou que toda a bancada petista votará contra a Reforma da Previdência de Paulo Guedes.

 

 

 

Alexandre Frota (PSL-SP), o ex-ator p-rnô

 

Alexandre Frota de Andrade é um ator, diretor, ex-ator p-rnô, ex-modelo, ex-comediante, ex-jogador de futebol americano, ex-apresentador, empresário e político brasileiro, filiado ao Partido Social Liberal (PSL). Nas eleições de 2018, foi eleito deputado federal por São Paulo. Em maio de 2016, entrou com um pedido de impeachment contra Dilma Rousseff. No início de 2018, apoiou a greve dos caminhoneiros. Uma das suas principais pautas é o projeto moralista e autoritário do Escola Sem Partido. Em disputa contra figuras conhecidas do MBL pela marca do movimento, Frota venceu judicialmente. O mesmo desfecho positivo para Frota não ocorreu no processo movido pelo ex-deputado Jean Wyllys contra Frota, que o tinha associado de forma mentirosa a uma declaração sobre pedofilia. A Justiça Federal condenou Frota a pagar R$ 295 mil de indenização para Wyllys.

 

Desde que assumiu o mandato, Frota tem se mostrado uma voz crítica dentro do PSL aos desmandos do atual governo. Em entrevista à Folha, o deputado disse que a articulação política de Onyx Lorenzoni é falha e lamentou Olavo de Carvalho ter mais influência no governo do que os militares. “É um velho que fica enfurnado lá na Virgínia, com aquele cenário cheio de livro, aquele gato, aquele charuto, aquela coisa mofada. Falar da Virgínia é muito fácil. Queria ver ele aqui falando.”

 

DpVVSVbXgAEuXLY.jpg

 

LOCAL DE FALA e AUTORIDADE: @Luquinhas Silva @Ale @Seth @Maidron!  @Janaina @shin @Jwhite @Leh @Covenant @Victor de Lucca @Ciro 3xOscarizado @Chay @ADRIEL @amandapotranca @Leonardo @lucax_ @Roa @Alex. @Chess Queen @Minoru @Felipe Foggia @Lygron

 

Não aguento esse Estado que tem Frota, Peppa Pig e Major Biruta como autoridades

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
7 minutos atrás, Victor de Lucca disse:

Não aguento esse Estado que tem Frota, Peppa Pig e Major Biruta como autoridades

 

Votou em quem, amore?

 

dzbtP8p.gif

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
26 minutos atrás, Loggie disse:

Molon vai tentar a prefeitura de novo?

lGMwRbM.gif

 

Vaai. É um dos nomes cotados sim. O problema é que Freixo quer união da esquerda, falando em aliança com PT, PDT e PcdoB.. mas o fundador do PSOL ''Babá'' ja falou hoje que isso não vai passar e que Freixo nao pode fazer tudo dentro do partido.  PT/RJ já disse que nao terá candidato.  Acho que devem fechar nome em torno do Molon.

 

''Freixo não pode fazer tudo dentro partido", esbravejou Babá. "Não aceitamos aliança com o PT de Lula, Dilma e Benedita, que já fizeram alianças com o que há de pior na política, como Sarney, Jucá, Henrique Meireles e Sergio Cabral, condenado a mais de 200 anos de prisão".

O PT nos expulsou por discordar da reforma da previdência proposta por Lula. Conseguimos 500 mil assinaturas para fundar o PSOL e agora Freixo acena para partidos que estão contaminados."

 

''Em uma entrevista ao jornal "El País", o deputado federal diz que seu nome tem força eleitoral, e demonstra a intenção de unificar a esquerda. "Tenho conversado muito com o PCdoB e com o PT, que já disse que vai me apoiar abertamente. Queremos trazer também o PDT", afirmou.'' 

 

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
2 minutos atrás, PILLAH disse:

 

Votou em quem, amore?

Na Sâmia Bonfim pra federal e na Isa pra Estadual

No senado eu votei no Suplicy que levou uma rasteira DE NOVO, tadinho

dzbtP8p.gif 

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Em tempo:

 

Mara Gabrilli rebate declarações de Olavo de Carvalho: "Vive num cárcere mental"

 

Senadora tucana condenou fala do ideólogo, que atacou o general Villas Boâs ao dizer que o militar era apenas um "doente preso a uma cadeira de rodas"

 

https://ultimosegundo.ig.com.br/politica/2019-05-07/mara-gabrilli-rebate-declaracoes-de-olavo-de-carvalho-vive-num-carcere-mental.html

 

 

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
6 minutos atrás, Predo disse:

 

Sim, e pior que depois da Jandira não vejo o partido com nenhuma outra liderança no estado. Digo o mesmo pra PT e PDT se não se mexerem. 

 

Aliás, nenhuma queda se compara a do PT no RJ... Lula e Dilma ganhando eleição desde 1998 no estado, elegeram 5 deputados em 2014 + tinham senador, agora só elegeram 1 deputada e o Haddad ficou em #3 no primeiro turno. É uma diferença abissal. 

O pt no estado se resume ao Quaqua e o feudo que ele criou em Márica. 

O PCdoB antes tinha a prefeitura de belford roxo, mas desandou de forma catastrófica. 

 

A derrota do lindberg deixou esse campo da esquerda mt fragilizado. Pro PCdoB resta sua única deputada federal seguida da única estadual (que é eleita graças a enfermagem enquanto classe), e ambas sao unicas em suas cadeiras desde 2014

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Publicidade

FACEBOOK

×