Sejam todos bem-vindos ao início do Especial Eleitos 2018! Nosso objetivo é apresentar alguns dos principais nomes dos futuros parlamentares que ocuparão o Congresso Nacional a partir do ano que vem. Este é um singelo esforço para que estimulemos discussões e conheçamos alguns desses rostos que na votação do impeachment da Dilma saíram das cortinas. É hora de engajamento para fazer uma oposição efetiva contra o Governo Bozonaro.   O Especial Eleitos 2018 acontecerá toda quinta e terça a partir de hoje, apresentando quatro estados por vez. Hoje é o dia de conhecermos um pouco mais sobre quem foram os escolhidos por Acre, Alagoas, Amapá e Amazonas para nos representar. Comecemos por AC e AL! E façam com que este especial seja COLABORATIVO:       SENADORES   Sérgio Petecão (PSD-AC) – reeleito     Sérgio Petecão foi filiado por 20 anos ao PMN do estado, tendo sido eleito para vários cargos: deputado estadual (1994, 1998 e 2002) e deputado federal (2006). Petecão tentou por várias vezes ser prefeito da capital, mas não teve êxito. Em 2010, foi eleito senador pelo Acre. Logo depois, deixou o PMN para ser um dos fundadores do PSD. Renova agora, portanto, seu mandato até 2027. No Senado, foi autor do projeto de lei que torna a contribuição sindical obrigatória apenas àqueles sindicalizados. Em 2016, como senador, votou A FAVOR da PEC do Teto dos Gastos Públicos e, em julho de 2017, votou A FAVOR da Reforma Trabalhista.   O senador reeleito também é promessa de BARRACO para a nova edição: confronto no Conselho de Ética com o senador NÃO reeleito Lindbergh Farias (PT-RJ) em 2017:            Márcio Bittar (MDB-AC)     Márcio Bittar foi eleito deputado estadual (1994) e deputado federal (1998) pelo MDB. Filiado ao PPS, perdeu eleição para senador em 2002. Filiado ao PSDB, foi eleito o deputado federal mais votado do estado em 2010. Nas eleições de 2014, foi derrotado na disputa pelo governo por Tião Viana (PT-AC). Voltando ao MDB, Bittar foi eleito senador ao lado de Petecão e Cameli que estavam na mesma coligação.   A morte horrível dos acrianos no Senados concretiza-se:       Quem já está na Casa de Vidro aguardando? Mailza Gomes (PP-AC)   Como primeira suplente, Mailza Gomes assumirá o mandato de Gladson Cameli, eleito governador nas últimas eleições. Será a quarta mulher a exercer mandato na história do Acre no Senado. Mailza declarou que representará o governo de Gladson em Brasília e defenderá a valorização das mulheres.   Concluímos, portanto, que Marina Silva é uma DESGRAÇADA por NÃO ter concorrido ao Senado. Concordam, @Maria ♀ e @Lucas Santana?   DEPUTADOS FEDERAIS     Mara Rocha (PSDB-AC)     Mara Rocha foi a deputada federal mais votada do estado. É irmã de Major Rocha (PSDB-AC), deputado federal desde 2015 e agora eleito vice-governador na chapa de Gladson Cameli (PP). Ela é presidente do PSDB-Mulher Acre e luta pela igualdade salarial entre homens e mulheres. Em entrevista de agosto, declarou que "nós, mulheres, vamos alcançar muito mais, pode ter certeza. A gente tem que lutar pelo nosso espaço, pelas nossas conquistas. Temos muito que contribuir com nosso Brasil. Já avançou e muito, mas vai avançar ainda mais ”.   Jesus Sérgio (PDT-AC)     Jesus Sérgio é conhecido no Acre como um deputado estadual bastante combativo. Entrou para a política em 2012, quando disputou para vereador, em sua cidade natal, e foi o mais votado. Em 2015 foi eleito deputado estadual com 3.483 votos, novamente o mais votado da sigla, e agora saltou direto para Câmara Federal. “Essa vitória foi obra de Deus em nossas vidas, entramos nesta disputa com poucos recursos e concorrentes com campanhas milionárias. Quero agradecer ao empenho de cada pessoa que acreditou neste projeto, que não duvidou, que teve fé e lutou até o último momento com a gente, que não se deixou vencer pelo cansaço e pelo desanimo", declarou em entrevista mês passado.   Queremos também a opinião de quem tem LUGAR DE FALA: ERROR 404 NOT FOUND         SENADORES   Rodrigo Cunha (PSDB-AL)     Este será o primeiro mandato de Rodrigo Cunha como senador. Atualmente, ele é deputado estadual de Alagoas. Fez uma campanha independente por não concordar com a coligação feita pelo PSDB no estado. Fariam, amores?     Renan Calheiros (MDB-AL) - reeleito     É senador brasileiro desde 1995, tendo sido reeleito pela terceira vez seguida. Foi Presidente do Senado por três períodos: 2005 até 2007, quando renunciou após denúncias de corrupção; de 2013 a 2015 e de 2015 a 2017. Após virar réu por peculato pelo STF, em dezembro de 2016, Renan foi mantido na presidência do Senado pelo plenário do Supremo, não podendo assumir a presidência na linha sucessória da Presidência. Também fariam, amores?       Quem os aguarda na Casa mais vigiada do País? Fernando Collor (PTC-AL)   Após ter sido afastado a partir de um processo de impeachment seguido de sua renúncia à Presidência da República, Collor assumiu um novo cargo político quando eleito senador em 2006. Sua reeleição veio em 2014, derrotando Heloísa Helena. Votou tanto A FAVOR do impeachment de Dilma Rousseff quanto da manutenção do mandato do senador Aécio Neves.     DEPUTADOS FEDERAIS     JHC (PSB-AL)     João Henrique Caldas (JHC) foi o deputado federal mais votado de AL. Repetiu o mesmo feito de 2014. É filho do também político João Caldas da Silva e tem apenas 31 anos de idade. Em novembro de 2015, saiu do Solidariedade e ingressou no PSB. Em 2016, ficou em terceiro lugar na disputa pela prefeitura de Maceió. Votou CONTRA a PEC do Teto dos Gastos Públicos e votou CONTRA a Reforma Trabalhista de Temer. Em 2017, votou A FAVOR da abertura de investigação contra Temer. No vídeo abaixo, JHC conversa amigavelmente com o deputado Eduardo Bozonaro (PSL-SP) sobre acesso livre à internet. Seria ele o exemplo de político não lacrador que um bloco alternativo ao PT pode angariar contra as desmedidas do futuro governo? @Predo @michael       Paulão (PT-AL)     Paulão do PT vem do movimento sindicalista e foi o oitavo deputado mais votado de Alagoas. Este será seu segundo mandato como deputado federal após três como estadual. Em 2008, Paulão foi indiciado no inquérito da chamada Operação Taturana, acusado por peculato, formação de quadrilha e lavagem de dinheiro. Em 2012 foi condenado, dentro deste processo, com a perda de seus direitos políticos por dez anos, além de ter que pagar multa de R$ 286.765,29. No entanto, recorreu da sentença, conseguindo candidatar-se e eleger-se para a Câmara dos Deputados. Votou CONTRA a PEC do Teto dos Gastos e votou CONTRA a Reforma Trabalhista.   Quem deve ter LUGAR DE FALA: @Wando Cadete   Conhece melhor outro deputado? Comente aqui. Logo mais, os eleitos pelo Amapá e pelo Amazonas!
    • Amei
    8