Ir para conteúdo

Badger

Membros
  • Total de itens

    1.176
  • Registro em

  • Última visita

  • BCoins

    31,855 [Transferir]

Suas Informações

  • Localização
    .

Últimos Visitantes

3.401 visualizações
  1. Dos mesmos criadores da mini pastora...
  2. Falou o que defende uma teocracia.
  3. O Pastor Sargento Isidório, o deputado federal mais bem votado na Bahia — com 323.264 votos — disse que só vai votar em Fernando Haddad no segundo turno da corrida presidencial porque soube pelo governador Rui Costa que o candidato do PT não é homossexual. Rui reuniu aliados no Palácio de Ondina nesta semana para pedir empenho em favor de Haddad no estado. Ao relatar o encontro para o site Bahia Notícias, o deputado eleito disse o seguinte: “Eu falei para Rui que não iria votar em viado, mas o governador me explicou que Haddad era casado e tinha filhos.” O pastor se define como “ex-gay” e “ex-aidético”. O filho dele, João Isidório, foi o deputado estadual mais bem votado na Bahia. Ambos são do Avante e ficaram conhecidos na região metropolitana de Salvador, principalmente entre os mais pobres, em razão do trabalho realizado numa casa de acolhimento de dependentes químicos chamada Fundação Doutor Jesus. A ONG recebe dinheiro do governo estadual. No primeiro turno, pai e filho votaram no Cabo Daciolo. https://www.oantagonista.com/brasil/eu-falei-para-rui-que-nao-iria-votar-em-viado-mas-o-governador-explicou-que-haddad-era-casado-e-tinha-filhos/
  4. Lançada há três semanas no horário das 18 horas da Globo, a novela "Espelho da Vida" não tem agradado totalmente a emissora carioca e nem o público. Segundo informações apuradas pelo NaTelinha, internamente, a Globo está com planos de fazer um relançamento da trama de Elizabeth Jhin, intensificando chamadas ao longo da programação. Além disso, atores de "Espelho da Vida" já estão escalados para participarem mais de programas da casa para divulgar o folhetim, como o "Encontro" e o "Domingão do Faustão". O movimento começou nesta semana. Por fim, a Globo também fará uma chamada explicativa do núcleo principal, para tentar reativar o público. E irá mexer em alguns pontos para que a trama fique mais palatável para o público. A avaliação interna de "Espelho da Vida" não tem sido das melhores. Fontes ouvidas dizem que a direção entende a novela como de "difícil compreensão", e que isso ajuda a explicar a audiência em queda. Outra crítica é o seu ritmo, considerado "lento". Com cerca de 20 capítulos exibidos, a obra tem média geral até aqui de 19,6 pontos de Ibope na Grande São Paulo. É a primeira vez desde 2015 que o horário das 18h tem uma produção abaixo dos 20 pontos. No mesmo patamar de exibição, a antecessora "Orgulho e Paixão" marcava média de 21,2 pontos - ou seja, houve uma queda de 7,5%. Comparada com "Tempo de Amar", a redução é de 16,2% - com 20 capítulos, "Tempo" tinha 23,4 pontos. A última novela que marcou menos de 20 pontos foi "Sete Vidas", trama escrita por Lícia Manzo que não teve alto Ibope, mas foi extremamente elogiada pela crítica e pelo público que a assistiu. "Espelho da Vida" tem sido criticada também nas redes sociais. Boa parte do público tem reclamado da lentidão de suas tramas e da falta de acontecimentos com os personagens principais, feitos por João Vicente de Castro, Vitória Strada, Alinne Moraes e Rafael Cardoso. https://natelinha.uol.com.br/novelas/2018/10/18/com-audiencia-aquem-do-esperado-globo-ira-relancar-espelho-da-vida-120949.php
  5. Na reta final de seu programa na Record, Fábio Porchat já trabalha em um dos novos projetos que desenvolveu para 2019: a série Homens, que será exibida no canal pago Comedy Central. Ele interpreta Alexandre, o protagonista da história, um rapaz que sofre de impotência sexual e entra em crise com sua virilidade e com o seu "melhor amigo". "Fiquei peladão. Gravei cena de nu frontal e sem dublê", adianta o comediante. "A gente aparece pelado de verdade nas cenas. Tem bunda, tem pinto, tem boceta. A brincadeira aqui é real. E eu apareço pelado exatamente para aumentar a veracidade. Como meu personagem é brocha, em determinado momento ele precisará tomar uma injeção no pênis que promete deixar o menino duro por até três horas", explica. Porchat consultou clínicas especializadas em tratamentos para impotência sexual e descobriu a existência dessa injeção. Na cena, seus amigos Gustavo (Gabriel Godoy), Pedrinho (Raphael Logam) e Pedro (Gabriel Louchard) são escalados para aplicar a dose. Dois rapazes seguram as mãos de Alexandre, enquanto o terceiro pega na parte íntima e lhe injeta a medicação. Homens é definida por Porchat como uma mistura de Sex and the City (1998-2004) com Girls (2012-2017), ambas da HBO. Só que protagonizada por homens. A ideia é discutir a inadequação masculina em tempos de debate sobre o machismo. "A série nasceu a partir de uma percepção minha de que os homens não estão entendendo muito bem o que está acontecendo, principalmente os que estão ali na casa dos 25 aos 40 anos. Eles entendem que estão errados em alguns aspectos, porque foram criados sob bases machistas, e estão perdidos, tentando se modificar, mas encontram dificuldades", comenta. Nessa busca por respostas à própria inadequação, Porchat consultou psicólogos, conversou com diversas mulheres e assistiu a filmes e documentários. Nesses encontros, descobriu que expressões pertencentes ao seu vocabulário eram consideradas machistas. "As expressões 'tu é o pica' e 'tem que botar o pau na mesa', parecem inofensivas, mas são machistas. A sensação que eu tenho é que o meu personagem começa a olhar um pouco para fora da bolha, só que a bolha puxa para dentro, e ele fica nessa luta constante", diz o ator, que decidiu romper seu contrato com a Record por causa dos vetos a palavrão e a entrevistados relevantes em seu talk show. Além do quarteto principal, outra figura terá momentos de protagonismo na história: o pênis de Fábio Porchat. Alexandre, seu personagem, por diversas vezes se pegará conversando com seu membro, que será interpretado pelo ator Rafael Portugal. "O Rafa interpreta meu pênis. Ele é grande, cabeçudo e veiudo. E vai aparecer conversando comigo em casa, no puteiro, na balada", antecipa. Homens também trará em seu elenco Lorena Comparato, Gisele Fróes, Gisele Itié, Miá Mello e Cintia Rosa. A série é a segunda produção do Porta dos Fundos para o Comedy Central e tem estreia prevista para o primeiro semestre de 2019. https://noticiasdatv.uol.com.br/noticia/series/fabio-porchat-grava-cena-de-nu-frontal-para-nova-serie-fiquei-peladao--22832
  6. O coiso vai poder indicar dois ministros do STF conservas durante o primeiro mandato dele, mais dois se 2 que vão ter a idade de se aposentar depois de 2022 se aposentarem antes no seu primeiro mandato, sem contar outras aposentadorias precoces e mortes de ministros que podem acontecer durante o seu primeiro mandato.
  7. aqui o termo: “Assumo o público compromisso de, se eleito for, defender e promover: – o direito pleno à Vida, desde a concepção até a morte natural, combatendo toda lei ou decisão a favor do aborto, da eutanásia, de pesquisas com embriões humanos e da clonagem humana; – o verdadeiro sentido do Matrimônio, como união entre homem e mulher; – a Família, constituída de acordo com o ensinamento da Igreja, e o seu direito de educar os filhos; – o respeito à Fé Católica e a todos os seus símbolos, ritos, manifestações e templos; – o ensino religioso confessional; – o combate à ideologia de gênero; – o combate à liberação das drogas e da prostituição – o combate à pobreza e a qualquer forma de escravidão; – melhorias indispensáveis nas áreas da saúde, segurança e justiça, educação, moradia, saneamento básico, transportes, meio ambiente e demais direitos básicos dos cidadãos; – a gestão honesta e limpa do poder e dos recursos públicos. – o combate ao ativismo judicial, caracterizado pela usurpação das atribuições do Poder Legislativo pelo Poder Judiciário. Assumo, desta forma, o compromisso de me empenhar ao máximo para a aprovação e/ou sanção de leis e dos mais diversos atos destinados a promover e a dar maior garantia aos valores inalienáveis e demais direitos acima especificados. Consequentemente, me comprometo a não permitir ou fazer tudo o que estiver ao meu alcance para que não sejam aprovadas e/ou sancionadas leis e decisões, de qualquer natureza, contrários aos mesmos valores inalienáveis e direitos acima”. http://blogs.opovo.com.br/ancoradouro/2018/10/12/Bozonaro-assina-termo-de-compromisso-com-povo-catolico/
  8. Um dos grandes nomes anunciados para o elenco de O Tempo Não Para na época da estreia da novela, Adriane Galisteu faz apenas participações eventuais na trama. Sua personagem, Zelda, tem poucas cenas, e todas sem relevância para qualquer arco importante da história. Ela se destaca mesmo pelos xingamentos que recebe, como "dentuça" e "varapau", que se referem a características da atriz e apresentadora. Após seis anos sem ter nenhum programa na TV, Adriane Galisteu, de 45 anos, se mostrou bastante empolgada ao ser confirmada no elenco da novela das sete. Em agosto, ela estava disposta a fazer o que fosse preciso pela personagem. "Se tiver que engordar 20 quilos ou emagrecer 10, se tiver que cortar todo o meu cabelo, eu faço. Decidi ser atriz e viver para a personagem", disse ao Notícias da TV. Mas a produção de O Tempo Não Para não faz questão de todo esse empenho da atriz. Após a briga que teve com Marocas (Juliana Paiva) no último dia 6, a estilista aparecerá pouco nos próximos acontecimentos da trama. Na semana que vem, de 22 a 27 de outubro, Zelda só estará em três capítulos, com quatro cenas no total. Na semana seguinte, de 29 a 3 de novembro, ela ficará mais apagada ainda: terá três cenas em apenas um episódio. É menos tempo no ar do que outros coadjuvantes da novela. Os ex-escravos Damásia (Aline Dias) e Cecílio (Maicon Rodrigues), por exemplo, terão na semana que vem tramas muito mais relevantes, com 11 e 13 cenas, respectivamente. Além de aparecer pouco, quando está em cena a personagem de Adriane é sempre esculachada. Ela conseguiu desbancar Coronela (Solange Couto) e Januza (Bia Montez) na briga pelo coração de Teófilo (Kiko Mascarenhas), mas agora vive para seduzir o ex-congelado e para ser xingada pelas duas rivais. "Não vê o Teófilo, querendo me enganar na bigamia!? Amigado com aquela Zelda varapau?!", dirá Coronela. "Dentuça desavergonhada", complementará Januza enquanto fofocam no capítulo do próximo dia 24. No início da novela, Adriane viralizou nas redes sociais pela cena em que chamava seu assistente Igor (Léo Bahia) de "Poc". A expressão caiu nas graças do público e deu repercussão à dupla. Agora, porém, a "Poc" deve ofuscar (ainda mais) a personagem de Adriane. Enganada por Betina (Cleo), Zelda levará a amiga para passar um tempo numa clínica de reabilitação. Mas, quando a vilã voltar, se fingindo de santa, quem vai descobrir toda a falsidade e passará a chantageá-la será Igor. A princípio, Zelda não saberá de nada e aparecerá apenas em cenas na pensão. https://noticiasdatv.uol.com.br/noticia/novelas/apagada-adriane-galisteu-vira-saco-de-pancadas-em-novela-dentuca-varapau--22811
  9. Vida Vlatt foi demitida da Record por descumprimento de uma cláusula contratual. A ex-participante de A Fazenda concedeu uma entrevista ao vivo ao programa A Tarde É Sua, apresentado por Sonia Abrão na RedeTV!, sem pedir autorização à direção da emissora de Edir Macedo. Além de perder o vínculo, ela ainda poderá pagar uma alta multa por infringir as leis do acordo. Fontes do Notícias da TV que integram a alta cúpula da Record confirmam que a humorista foi notificada sobre o descumprimento de seu contrato. E por isso, deverá pagar cerca de R$ 100 mil à emissora, um valor quatro vezes maior do que o cachê que ela teria recebido para participar do reality show. Procurada, a emissora não quis se manifestar sobre a demissão de Vida Vlatt. Ontem, durante a roda de fofocas do programa de Sonia Abrão, o colunista Felipeh Campos telefonou ao vivo para Vida Vlatt para comentar o desentendimento que ela teve com Ana Paula Renault durante a gravação do Programa do Porchat, noticiado em primeira mão pelo Notícias da TV. Ele pegou seu celular e colocou no viva-voz, próximo ao seu microfone, mas avisou a humorista de que ela estava ao vivo no programa. "Ela sabe que está no viva-voz?", perguntou Sonia. "Estamos ao vivo, você está no viva-voz", frisou Felipeh. "Tá", respondeu a humorista. Vida voltou a ser alertada que estava ao vivo por toda a equipe do A Tarde É Sua quando quase soltou um palavrão no ar. Ela apenas deu risada e seguiu falando normalmente. A entrevista durou seis minutos. Na madrugada desta quarta (17), Elias Abrão, irmão de Sonia e diretor do programa de fofoca da RedeTV!, fez um desabafo em seu Twitter logo que soube que Vida havia sido notificada pela Record. "Infelizmente, por um erro meu, estão rifando a Vida Vlatt", escreveu Elias. "Pedi para colocar a Vida por telefone, ela não sabia que estava ao vivo e contou detalhes do ocorrido no Porchat. A diretoria da Record rompeu o contrato com ela. Pena. A RecordTV abriu as portas para ela, e eu fechei", completou Embora o diretor diga que Vida Vlatt não sabia que estava ao vivo, a apresentadora e seus comentaristas a alertaram a humorista durante o programa. E ela não se importou, como mostra a entrevista exibida ontem (clique aqui). A reportagem também tentou contato com Elias, mas ele não respondeu até a publicação deste texto. O diretor prometeu, também pelo Twitter, convidar a humorista para integrar a roda de fofocas do programa de sua irmã. https://noticiasdatv.uol.com.br/noticia/televisao/record-demite-vida-vlatt-por-quebra-de-contrato-apos-entrevista-sonia-abrao-22826
  10. "Ele deve ser daqueles que acham que podem "mudar" a cabeça de uma pessoa, mas ignoram que existe uma jogada política em prática: o conservadorismo pregado pelo Salnorabo é apenas um mecanismo para conseguir apoio eleitoral de grupos evangélicos e católicos. O Salnorabo assinou um termo de compromisso com os católicos em que promete não reconhecer a união estável que não seja de homem e mulher e também não assentir com entidades familiares que fujam do formato tradicional bíblico, impedindo, por exemplo, a adoção por casais homossexuais. É o que prega o Estatuto da Família que está tramitando no Congresso. Ademais, impedir ativismo judicial nessas questoes. A decisão recente do Judiciário sobre mudança de nome social para trans em cartório deve ser contestada. Ele prometeu amarrar o cinturao da bíblia em direitos civis conquistados por minoriais em decisoes judiciais recentes para retrocedê-los e impedir que outros tantos sejam apoderados. Também estao em jogo discussões sobre a legalização do aborto, uso recreativo da maconha e afins. É uma agenda religiosa sendo colocada em prática no Estado, com o adendo da defesa do ensino religioso confessional nas escolas para atender aos interesses dos mesmos grupos." "Não é possível que VOCÊ acredite nisso! Homossexual é lindo, mas quando é fantoche de hetero, quando aceita calado sua submissão e inferioridade, quando não está buscando os seus direitos, quando não está casando, quando não está adotando crianças, quando não está contaminando a sociedade com seu "sangue impuro", quando é chacota (bobo da corte) ou discreto e encubado, quando reforça e reproduz preconceitos dos quais eles mesmos são as vítimas. "Tá vendo aqui essa bichinha? É meu animalzinho de estimação, ela sabe o seu lugar, não fica tentando impor suas ideologias (direitos) pra ninguém! É só a gente dar um pouquinho de atenção, fingir que é gente e pronto, esse é o gay de respeito!" Esse gay aí coitado, falo coitado, porque no fundo eu tenho é pena dele, apareceu em um momento bastante oportuno. Salnorabo agora vai poder afirmar que não é homofobico, com base em critérios muito superficiais (como se somente o fato dele ter dado biscoito pra poc, apagasse todo histórico do infeliz) e outras gays burras vão se deixar iludir... e sustentados por discursos de apoio daquelas que deveriam ser a "minoria atingida" e de fato são, vai ser muito mais fácil legitimar todo e qualquer ato de retrocesso que ele queira implantar em relação aos LGBTQ, sem que haja o menor peso na consciência, afinal "não é questão de homofobia, temos até gays do nosso lado" e as pocs, idiotas, com síndrome de Estocolmo, absolutamente carentes e fascinadas por acharem que possuem uma migalha que seja de atenção do seu excitante opressor vão acreditar. Acontece que não são todos os gays que nasceram pra ocupar essa posição de merda querido, portando vai continuar tendo LGBTQ lutando e resistindo contra o coiso SIM! "
  11. meus familiares, ao contrário do bozo e dos filhos dele, trabalham e não tem vida pública.
  12. kkkkkk ainda vai ter poc burra que vai cair nesse texto que ele postou o massacre nele nesse fórum: https://goo.gl/kRZ2uR (ignorem o título, é de uma poc bolsominion (é cheio disso lá, não recomendo o registro)).
  13. Rosto mais conhecido do grupo racista Ku Klux Klan (KKK) nos Estados Unidos, o historiador americano David Duke fez um raro comentário sobre a política brasileira no programa de rádio que comanda. "Ele soa como nós. E também é um candidato muito forte. É um nacionalista", disse o ex-líder da KKK sobre Cair Salnorabo, candidato à presidência pelo partido das subcelebridades. "Ele é totalmente um descendente europeu. Ele se parece com qualquer homem branco nos EUA, em Portugal, Espanha ou Alemanha e França. E ele está falando sobre o desastre demográfico que existe no Brasil e a enorme criminalidade que existe ali, como por exemplo nos bairros negros do Rio de Janeiro", afirmou Duke - que frequentemente classifica o prêmio Nobel da Paz sul-africano Nelson Mandela como um "terrorista". Os KKK, como se tornaram conhecidos, começaram a atuar em 1865 nos Estados Unidos. Frequentemente usavam capuzes brancos para proteger sua identidade e fazer com que parecessem ainda mais assustadores para suas vítimas. O grupo, que defende a supremacia branca sobre os negros, foi responsável por muitas das torturas e linchamentos que ocorreram com os negros no país. O historiador, conhecido também por negar o Holocausto, fez ressalvas à proximidade do candidato brasileiro com Israel, comparando o que classifica como "estratégia" de Salnorabo à que teria sido adotada por Donald Trump, na visão dele. Procurada por telefone e email na noite desta segunda-feira, a campanha de Cair Salnorabo não comentou as declarações do ex-líder da KKK (a reportagem será atualizada caso a campanha se pronuncie sobre o caso). O candidato tem refutado acusações de que seja racista, homofóbico e misógino. A Ku Klux Klan está presente na história americana desde o século 19. Defende a superioridade dos descendentes de europeus sobre negros e judeus e foi responsável por atos de terrorismo e linchamentos em comunidades formadas por negros nos EUA. Um dos organizadores dos protestos em defesa da supremacia branca em Charlottesville, no ano passado, e cabo eleitoral de Donald Trump entre membros da extrema-direita americana (o presidente diz que não o conhece pessoalmente e que rejeita o apoio), Duke apontou Salnorabo como parte de um fenômeno nacionalista global, mas fez ressalvas sobre sua proximidade com judeus, a quem acusou de promoverem uma "lavagem cerebral no mundo". "Ele vai fazer coisas a favor de Israel, e acredito que ele esteja tentando adotar a mesma estratégia que Trump: acho que Trump sabe que o poder judaico está levando a América ao desastre, levando a Europa e o mundo ao desastre. Então, o que ele está tentando fazer é ser positivo em relação aos judeus nacionalistas em Israel como uma maneira de obter apoio", disse o americano. 'O incrível Salnorabo' Diferentemente de Duke, Salnorabo mantém em sua vida política uma postura de proximidade com a comunidade judaica e a defesa do Estado de Israel. Há dois anos, enquanto o Senado votava o impeachment de Dilma Rousseff, o Drag brasileiro foi batizado nas águas do rio Jordão. Durante a campanha eleitoral, o candidato reforçou o elo com o país e promete expandir relações políticas, culturais e comerciais se eleito. "Minha primeira viagem como presidente será para Israel", disse Salnorabo em transmissão ao vivo no Facebook, no último domingo. Como Salnorabo, Trump é um defensor do Estado de Israel e apoia um alinhamento político com o país - ele fez sua segunda viagem internacional como presidente ao estado judeu, em maio do ano passado. No ano passado, em palestra no clube judaico Hebraica, no Rio de Janeiro, Salnorabo fez críticas a quilombolas e afirmou que "o afrodescendente mais leve lá pesava sete arrobas, não fazem nada, eu acho que nem pra procriador servem mais". A fala foi aplaudida por parte dos presentes, mas depois recebeu críticas de lideranças judaicas. À JTA, na semana passada, o cônsul honorário de Israel no Rio de Janeiro, Osias Wurman, disse que Salnorabo "se destacou entre os muitos candidatos por incluir o Estado de Israel em seus discursos principais de campanha". "Ele é um apaixonado pelo povo do Estado de Israel", continuou Wurman. Do Partido Nazista a 'BlacKkKlansman' Nos anos 1960, antes de se juntar à KKK, David Duke foi membro do extinto "Partido Nazista da América", depois renomeado para Partido Nacional Socialista das Pessoas Brancas. A liderança de Duke no Klan começou em 1974 e foi retratada no no filme BlacKkKlansman("Infiltrado na Klan", em português), que narra a história de um policial negro que se infiltrou na Ku Klux Klan no Colorado, em 1978, e foi lançado pelo cineasta Spike Lee em agosto. O filme foi o vencedor do Grande Prêmio do Júri do festival de Cannes de 2018. A produção mostra como Duke, então líder nacional da organização supremacista, foi enganado pelo policial Ron Stallworth, que fingiu ser branco com a ajuda de um colega e conseguiu se tornar membro oficial da KKK. Stallworth, que escreveu o livro que deu origem ao filme e chegou a ser designado como guarda-costas de Duke, conta que conversava com supremacista branco por telefone. "Um dia ele me disse que era capaz de reconhecer um negro pelo telefone, porque eles falavam diferente. E me disse que, por exemplo, sabia que eu era um homem branco. Dei muitas gargalhadas depois." Depois de sair da KKK, Duke foi congressista pelo Estado da Luisiana entre 1989 e 1992 e se candidatou, sem sucesso, a uma série de cargos nos anos 1990, incluindo senador e governador. Em 2002, ele foi preso por um ano após de confessar que enganou apoiadores em troca de apoio financeiro e sonegou impostos. Autor de três livros sobre o que classifica como "supremacia judaica" e defensor de teses contestadas, como a que sugere que negros seriam mais violentos e teriam QI inferior aos dos brancos, Duke voltou a ganhar projeção mundial em 2016, quando passou a apoiar a campanha presidencial de Donald Trump. Após críticas por não se posicionar sobre o cabo eleitoral, Trump afirmou que mantém distância do historiador e se referiu a Duke como "um cara ruim". Duke, por sua vez, continuou a apoiá-lo nas redes sociais e em entrevistas. No ano passado, o ex-líder da Ku Klux Klan agradeceu aos comentários pouco enfáticos do presidente americano sobre os protestos que liderou em Charlottesville, onde milhares de manifestantes da extrema direita empunharam tochas como as da KKK e fizeram saudações nazistas. "Trump nos empoderou", afirmou Duke na época, após o presidente americano igualar a violência entre supremacistas brancos e grupos contrários no protesto. Quando Trump, dias depois, fez críticas mais contundentes aos supremacistas, Duke reagiu. "Foi o voto branco esmagador que o colocou na Casa Branca e ele deveria se lembrar disso." https://www.bbc.com/portuguese/brasil-45874344
  14. Coronel Nathan R. Jessep Em "Questão de Honra" (1992), o ator Jack Nicholson faz o papel do coronel Nathan R. Jessep. Duro, Jessep aplica punições severas nos fuzileiros navais sob seu comando e parece sentir prazer ao fazer isso. O personagem de Nicholson é uma espécie de psicopata que fica feliz em ver o sofrimento de seus subordinados. Avery Tolar Em "A Firma" (1993), Avery Tolar (Gene Hackman) é uma figura odiosa por si só. Seu escritório de advocacia tem laços profundos com a máfia. Quando vai trabalhar para ele, o promissor advogado Mitch McDeere (Tom Cruise) não demora muito para descobrir a verdade sobre a empresa. Mas Avery faz de tudo para "silenciá-lo" e contrata, inclusive, uma mulher para dormir com Mitch e depois chantageá-lo. Miranda Priestly Miranda Priestly, papel de (Meryl Streep em "O Diabo Veste Prada" (2006), é uma chefe terrível, já que a personagem passa boa parte do filme aterrorizando e insultando a maioria de seus empregados. Abusiva, Miranda faz com que seus funcionários trabalhem sempre com medo. Buddy Ackerman Buddy Ackerman (papel de Kevin Spacey em "O Preço da Ambição") é um dos chefes mais abusivos do cinema. Ele ataca seu assistente (Frank Whaley) com um insulto atrás do outro. A relação antagônica entre os dois só piora ao longo da trama, até que o personagem de Whaley explode, sequestra e tortura Buddy. Meredith Johnson Em "Assédio Sexual" (1994), a atriz Demi Moore faz o papel de Meredith Johnson, uma executiva que tenta seduzir seu subordinado Tom Sanders (Michael Douglas), mas acaba rejeitada. Mas, com um conhecimento astuto das leis, ela o acusa de assédio sexual, o que poderá destruir carreira e vida de Sanders. John Milton Em "Advogado do Diabo" (1997), Kevin Lomax (papel de Keanu Reeves) é um advogado talentoso que se junta a um prestigiado escritório de advocacia de Nova York, cujo chefe é John Milton (Al Pacino), que surge como figura paterna que elogia e dá conselhos a Kevin. Mas Milton se revela o próprio Satanás. Da próxima vez que você reclamar de seu chefe, lembre-se de que ele ou ela poderia ser o Diabo. Blake Embora ele apareça em só uma cena do filme "Sucesso a Qualquer Preço" (1992), Blake (papel Alec Baldwin) é enviado para "motivar" os corretores de imóveis Dave (Ed Harris), George (Alan Arkin) e Shelley (Jack Lemmon). Mas Blake é aquele tipo de chefe que acredita que insultos contra os funcionários vão motivá-los. Ele não deixa Shelley nem pegar café. Quem nunca teve um chefe assim? Katharine Parker Em "Uma Secretária de Futuro" (1988), a personagem Katharine Parker (papel de Sigourney Weaver) faz de tudo para crescer. Ela se faz até de "amiga" de Tess McGill (Melanie Griffith), mas só quer roubar as ideias de sua subordinada para seu próprio benefício. Esse é outro tipo de chefe bem comum por aí. Bill Lumbergh Em "Como Enlouquecer seu Chefe" (1999), Bill Lumbergh (papel de Gary Cole) é aquele tipo de chefe presunçoso e detestável. Ele é um supervisor que parece não fazer qualquer trabalho real e fica delegando tarefas e mais tarefas para seus subordinados. Não bastasse isso, Lumbergh transforma a vida do personagem Milton Waddams (Stephen Root) em um inferno. Gilbert Huph Na animação "Os Incríveis" (2004), o personagem Gilbert Huph é encarregado de uma empresa de seguros, na qual o Sr. Incrível trabalha após deixar a vida de super-herói. Huph é aquele tipo de chefe terrível que ataca seus funcionários quando eles ajudam os clientes, pois seu objetivo é o faturamento a qualquer preço. Margaret Tate Em "A Proposta" (2009), a atriz Sandra Bullock faz o papel de Margaret Tate, uma fria e poderosa editora que está acostumada a conseguir tudo o que quer. Margaret é daqueles chefes que pode pedir favores extremamente íntimos e pessoais a você. Franklin Hart Jr. Em "Como Eliminar seu Chefe" (1980), as funcionárias de escritório Judy (Jane Fonda), Violet (Lily Tomlin) e Doralee (Dolly Parton) são continuamente assediadas pelo chefe sexista e incompetente Franklin Hart Jr. (Dabney Coleman). Para se vingar, as mulheres acabam sequestrando o chefe e o mantendo refém em sua própria casa. Gordon Gekko Em "Wall Street - Poder e Cobiça" (1987), Gordon Gekko (papel de Michael Douglas) é movido pela ganância. Ele é um investidor narcisista e egoísta que só faz coisas com uma única intenção: ajudar a ele mesmo. Isso significa que Gordon não tem vergonha em corromper seu jovem protegido Bud Fox (Charlie Sheen) e manipulá-lo para sua própria vantagem. Bernie Lomax Em "Um Morto Muito Louco" (1989), Larry Wilson (papel Andrew McCarthy) e Richard Parker (Jonathan Silverman) descobrem uma fraude na empresa e avisam o chefe Bernie Lomax (Terry Kiser), sem saber que é ele que está por trás da falcatrua. Bernie planeja matar tanto Larry quanto Richard, mas, em vez dos dois, o assassino contratado mata Bernie, o que dá início à história cômica do filme. J. Jonah Jameson Editor-chefe do "Clarim Diário", o personagem J. Jonah Jameson é aquele tipo de chefe rabugento, que intimida qualquer um, até mesmo o homem-aranha. Jameson pode até parecer engraçado em alguns momentos, mas não se engane. Ele é aquele tipo de chefe abusivo, que não dá à mínima para o bem-estar de seus funcionários. Charles Wheeler É quem não recorda de Charles Wheeler (papel de Jason Robards) em "Filadélfia" (1993)? Ele demitiu o advogado Andrew Beckett (Tom Hanks) ao descobrir que o funcionário era gay e portador do vírus HIV. Wheeler não tem nenhuma compaixão com Beckett e é extremamente preconceituoso ao falar dele. Willy Wonka Pode até não parecer, mas Willy Wonka de "A Fantástica Fábrica de Chocolate" é um louco recluso e maníaco por controle que não dá à mínima para seus funcionários, tanto que ele demitiu todos os seus operários e os substituiu por uma nação de anões Oompah Loompahs, que não recebem pelo trabalho e ficam isolados na fábrica. Les Grossman Em "Trovão Tropical" (2008), o ator Tom Cruise aparece irreconhecível como Les Grossman, um poderoso magnata do cinema. O personagem de Cruise é aquele tipo de chefe grosseiro e abusivo, que não cansa de repetir para quem está abaixo dele que um macaco retardado poderia fazer o trabalho melhor do que o funcionário. Sr. Burns Ao citar chefes terríveis da ficção difícil também não lembrar de Charles Montgomery Burns, ou simplesmente Sr. Burns, do desenho animado "Os Simpsons". O sr. Burns é ganancioso, só pensa em ter cada vez mais poder e destrói os sonhos e as aspirações de seus subordinados. Quem nunca trabalhou com um chefe assim? https://entretenimento.uol.com.br/album/2018/10/15/chefes-crueis-do-cinema.htm

Publicidade

FACEBOOK

×