Ir para conteúdo

Nazistto

Membros
  • Total de itens

    24.449
  • Registro em

  • Última visita

Sobre Nazistto

  • Data de Nascimento 14/11/1997

Suas Informações

  • Localização
    Terra-616

Últimos Visitantes

O bloco dos últimos visitantes está desativado e não está sendo visualizado por outros usuários.

  1. Em vista dos últimos ataques, desmerecimentos e ignoradas em questões representativas e de acessibilidade que levanto no fórum, tendo uma delas o ponto de tópicos em inglês, resolvi criar esse debate pra que na medida que eu possa esclarecer e deixar tudo bem explícito do porque dessas minhas insatisfações (há quem alegue que isso não é importante/não consegue entender qual o problema de tópicos em inglês), os demais membros possam participar e dar suas opiniões, já excluindo de vez uma situação que certos moderadores adoram criar: Guilherme raivoso atacando sem motivos a moderação. (hoje não, Aristoteles e Angelo) Qual o problema de tópicos com conteúdo em inglês? Isso pode parecer novidade, surpresa e até mesmo surreal para alguns do fórum, mas a realidade é: Nem todo mundo sabe inglês! (e ninguém é obrigado também). O Brasil é o oitavo país com mais analfabetos adultos no mundo, tendo ainda o analfabetismo funcional (aquele onde a pessoa é “tecnicamente” alfabetizada, porém não consegue entender, redigir e se expressar por um texto) assola 50% dos “alfabetizados”. A educação é precária tendo apenas 8% da população com plena capacidade de ler, escrever e compreender textos em PORTUGUÊS. Imagina esse cenário todo com uma segunda língua, no caso, o inglês? Segundo a UNESCO, o Brasil é 41º no ranking de 70 países com fluência no inglês, sendo classificado como “nível baixo”. Outra pesquisa revelou que dentre os poucos que tem contato com a língua inglesa, apenas 36% tem realmente fluência, tendo então, apenas 5% da população brasileira realmente fluente em inglês. Quer ser Sasha? Então vai estudar! (mas só se você tiver tempo, e principalmente, dinheiro) Já é consenso geral que o ensino de inglês nas escolas é precário, pra não se falar inexistente. Há quem procure escolas de inglês separadas pois já aceita o e sabe que a escola pública não consegue ensinar com eficiência a língua, porém se depara com outro cenário nada animador: cursos caros, com metodologia bem duvidosa (já chegam metendo gramática nos primeiros módulos, quem aguenta isso, bicho?), que estendem módulos ao máximo para a maior permanência (e por consequência, mais mensalidades) dos alunos, além do pouco suporte. Cursos realmente bons e eficientes chegam a custar mais do que uma calça pra uma jovem de 16 anos, passando dos R$ 300 mensais! E os cursos mais baratos (tipo aquele da esquina de R$ 100) alongam a metodologia o máximo possível para te manter lá dentro por bem mais dos 2 anos prometidos. Especialistas recomendam a prática diária do inglês para se aprender a língua, mas nem todo mundo esse tempo pra se dedicar ao aprendizado e, principalmente, nem todo mundo tem dinheiro o suficiente pra bancar um bom curso (e as vezes, nem o de cem conto da esquina dá pra pagar.) Separatismo e elitismo. Sabendo da situação no país com questão ao inglês, é válido dizer que ao criar um tópico com o título em português, mas com todo o seu conteúdo em inglês, ele acaba atingindo apenas uma minoria dentro de uma minoria. Aqueles que não entendem acabam não podendo participar da discussão do tópico, ou até conseguem, porém de uma maneira mais rasa e desigual. Isso cria uma espécie de barreira onde aqueles que não conseguem transpassa-la acabam sendo barrados e separados de todos os (poucos) outros. Ter tudo isso em mente e mesmo assim não ver problemas e até achar ruim as reclamações de membros que não sabem inglês beira ao elitismo, pois ignora-se a realidade de onde se vive, preferindo apenas enxergar aqueles poucos privilegiados que tiveram plenas condições como você. “Vai pro Google Tradutor” “O Google Tradutor é logo alí”, muitos vão dizer, mas sejamos sinceros: a tradução é mais cagada que os singles do A.K.A., servindo no máximo pra quebra-galho de pequenos textos extremamente simples (caso contrário a confusão de ordem, tradução e conjunto de idéias é certa). O problema é ainda maior quando se entra no tópico pelo celular. Muitas vezes o navegador do celular não reconhece o texto em inglês e sequer oferece a opção de traduzir, sendo então necessário o trabalho de selecionar todo o texto, copiar, abrir o app do Tradutor, colar e só então receber a tradução (que continua vindo toda cagada). O problema do argumento “o que importa esta no título”. Muitas vezes ao reclamar sobre tópicos com conteúdo todo em inglês, alguém sempre me respondia que “tudo que importa esta no título”. Isso é desonesto, pois divide os leitores em dois: os que só conseguem entender a notícia apenas pelo o que diz o título/os que conseguem entender tanto o título quanto os detalhes e aprofundamento que o restante do texto trás. O justo seria se o tópico fosse acessível a todos da mesma maneira, para que todos também pudessem participar no mesmo nível. A sensação de chegar num tópico todo em inglês e não conseguir acompanhar a discussão como os demais é a mesma da piadinha interna dentre amigos que você perdeu porque não foi naquele rolê que a piadinha surgiu. É desagradável e excludente, e ninguém quer ser excluído. Qual a solução? Sendo assim, qual seria a solução desse empasse? Vejamos: Se uma pessoa resolve trazer uma noticia/artigo em inglês para o fórum e criar o tópico, supõe-se que ela entendeu o que estava escrito, né? Sendo assim, por que não gastar uns dois minutos a mais traduzindo para que assim como elx, todxs possam entender também? já que vai criar faz direito -n E mesmo que não seja a solução ideal, um pequeno resumo do texto em inglês traduzido já é de grande ajuda, caso não queira/tenha tempo de traduzir por completo. Da parte da moderação, poderia rolar um comunicado/anúncio pra incentivar membros a traduzirem seus tópicos daqui pra frente/resumirem com uma tradução no final. Veja só, nada muito trabalhoso! Muito melhor e mais condizente com o “fórum do amor” do que pedir para os não-Sashas se retirarem do fórum e dizer que não pode fazer nada, não é mesmo? E vamos combinar, não é toda notícia que precisa ser criada com urgência que não pode esperar dois minutinhos para traduzir, afinal, a diferença do fórum para uma rede social é justamente o aprofundamento do assunto que essa plataforma nos permite, ao contrário do feed sempre lotado e corrido do facebook/twitter. Essa é a minha opinião, mas e a de vocês? Convido todos, inclusive a moderação, a um debate saudável sobre essa praga do diabo podre tópicos com título em português, mas com conteúdo em inglês.
  2. Nazistto

    Discussões sobre fóruns em geral

    twitter.com/forumpandlr putz

Publicidade

FACEBOOK

×