Ir para conteúdo

Antunes

Membros
  • Total de itens

    4.353
  • Registro em

  • Última visita

4 Seguidores

Sobre Antunes

  • Data de Nascimento 24/06/1996

Suas Informações

  • Localização
    Florianópolis

Últimos Visitantes

3.315 visualizações
  1. Nao consigo acessar minna conta. Fiz uma nova e o email de confirmação não chega
  2. Que legal as pessoas aqui fazendo piadinha com isso, e agindo da mesma forma que os homofobicos agiam com vocês ( e comigo ) Na época que ainda não estavam preparados para se assumir. Cada pessoa tem seu tempo. Se os próprios gays estão zuando ele ( "chocou 0 pessoas" "todo mundo já sabia "...) imagina como ele temia a reação dos heteros e de que maneira isso poderia afetar a carreira no esporte. Vamos ter mais empatia pelos outros! Vocês já passaram por isso.
  3. Até Adore You pisa nesse clipe
  4. Antunes

    ÁLBUM Tiago Iorc - Reconstrução

    Achei as letras lindas, um álbum bom pra porra.
  5. kkkkkkkkkkkkkkkk esse era o sucessor do rei Ricky Martin @Prets?
  6. Antunes

    Não devemos falar sobre cura do HIV

    Foi publicado recentemente no Nature mais um suposto caso de cura do HIV. Assim como o “paciente de Berlim”, que há 12 anos foi submetido a transplante de células tronco hematopoiéticos, o mais novo caso do “paciente de Londres” atingiu a remissão virológica após o mesmo procedimento graças a um padrão raro de mutação dos doadores (CCR5 ∆32), presente em apenas 1% da população. Neste artigo daremos uma nova visão sobre este tema. Quer dizer que transplante de medula sempre cura o HIV? Não. Quais foram as condições necessárias para o sucesso do transplante de células tronco hematopoiéticas como modalidade terapêutica do HIV? Possuir outra condição clínica que indicasse o transplante; Possuir infecção com cepas do HIV com tropismo ao CCR5; Encontrar doadores de células tronco hematopoiéticas homozigóticos para mutação do CCR5 ∆32; Não morrer durante o tratamento. 1. O transplante, per se, tem alta morbimortalidade No caso de uma LMA submetido a TCTH alogênico não aparentado, a sobrevida em três anos é de apenas 46% nos estágios iniciais e 18% nos avançados. Parte dos óbitos ocorrem devido à própria leucemia, e outra parte devido às complicações geradas pelo tratamento, que envolve mieloablação, imunossupressão e doença do enxerto versus hospedeiro (DECH). Só se justifica esse tipo de tratamento em uma pessoa que irá morrer se nada for feito, pois o tratamento é extremamente agressivo e a relação risco x benefício não favorece o uso para tratamento do HIV, por ser uma condição facilmente controlável com medicações. 2. Não temos tantos doadores de medula óssea De 13 mil pacientes com LMA ao ano que ocorrem nos EUA, apenas 2 mil são submetidos ao TCTH. Alguns casos não indicam transplante por haver outras opções terapêuticas, as comorbidades, a falta de leitos ou falta de doadores compatíveis. Atualmente há 36 milhões de pessoas que vivem com HIV. É inviável pensar nessa modalidade terapêutica, que mal atende às pessoas que possuem câncer das células hematológicas (como a leucemia ou linfoma), onde a ausência de outras opções terapêuticas e gravidade da doença justifica seu uso. 3. Há outros caminhos para a cura da AIDS Existem hoje dezenas de medicações que agem no HIV e impedem sua replicação e ação contra as células de defesa. Desta forma, uma pessoa que inicia tratamento para o HIV em uma fase precoce, nunca irá evoluir para AIDS. Além disso, deixa de transmitir o vírus e evita a disseminação por quebrar a cadeia de transmissão. Ou seja, já há uma terapia capaz de causar remissão virológica, porém à base de medicações. Há estudos que demonstram que uma pessoa com diagnóstico de HIV aos 20 anos e que inicia terapia possui a mesma expectativa de vida que uma pessoa que vive sem o vírus. Então não faz sentido pensar em uma terapia tão agressiva como o TCTH para uma condição tão facilmente tratável como o HIV. Aliás, qual é a diferença prática entre remissão virológica e a cura? Vamos lembrar que na remissão virológica não há evolução da doença e não há transmissão do vírus. O que esses casos nos dizem? O transplante, no momento atual da medicina, não é uma opção terapêutica para o HIV utilizada na prática clínica. Porém, abre uma janela de oportunidades. Agora sabemos que a introdução de células com características diferentes às originais do hospedeiro (no caso células com a mutação do CCR5 ∆32) podem passar a expressar essa condição neste.
  7. Antunes

    ÁLBUM MARINA - Love + Fear

    Simmmmm.

Publicidade

FACEBOOK

×